Bolsonaro diz que Ibama e ICMBio vão deixar de ser indústrias de multa em seu Governo

Ainda sobre segurança, o candidato afirmou não ser fácil mexer com facções

Em campanha em Porto Velho nesta sexta-feira (31), o candidato Jair Bolsonaro (PSL) disse que irá fundir os ministérios da Agricultura e Meio Ambiente e acabar com o ativismo ambiental. Em coletiva de imprensa concedida durante a noite, o presidenciável defendeu ainda a necessidade de retaguarda jurídica para a segurança pública e garantiu não estar preocupado quem será o adversário do segundo turno das eleições, mas enfatizou não confiar nas urnas eletrônicas.

Bolsonaro falou sobre a força do agronegócio e garantiu que o uso da multa vai deixar de existir por parte do Ibama e ICMBio, pois o produtor rural já tem muitos problemas e este será eliminado. “Nós vamos colocar alguém nesse superministério que não tenha qualquer vínculo com ONGs internacionais e o cidadão vai ser tratado com respeito e consideração. Aqui em Rondônia são 53 unidades de conservação e 25 terras indígenas. É um absurdo o que se faz no Brasil, usando o nome ambiental. Nós temos uma área maior que a região sudeste demarcada como terra indígena e isso tem inibido aqueles que querem investir no agronegócio e até mesmo na agricultura familiar”, disse o candidato que garantiu que somente a fusão dos ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura vai estabelecer uma nova política ambiental.

“Se depender de mim, eu saio do acordo de Paris, deixo bem que tem outras pessoas para votar, quem não quiser votar em mim”, disparou o presidenciável ao explanar sobre a possibilidade do Brasil perder a soberania da região Amazônica em virtude da sobrevivência da humanidade. “O mundo está certo, estão de olho naquilo que temos de bom e não damos valor para tanto. Em nome da questão de direitos ambientais, direitos humanos e indígena, estão acabando com o Brasil”.

Questionado sobre a segurança nas fronteiras como forma de combate ao narcotráfico, o candidato citou o Estados Unidos que tem mais tecnologia e não consegue resolver, sequer a imigração ilegal. No entanto, Jair Bolsonaro destacou que, recentemente, conheceu o Departamento de Operações de Fronteira de Mato Grosso do Sul (MS), que tem atuação tem da Polícia Militar e Polícia Civil, no combate ao crimes de narcotráfico, furto/roubo de veículos, de cargas, roubo/furto em propriedades rurais e pretende expandir para o restante o país, além de tentar resgatar outros projetos que devem reduzir a entrada de ilícitos. “Inibir não vai”.

Ainda sobre segurança, o candidato afirmou não ser fácil mexer com facções e alertou sobre a necessidade de um respaldo jurídico para que os policiais não sejam processados, caso matem criminosos. “Eu só colocaria minha tropa na rua se houver uma retaguarda jurídica, porque quando você bate de frente com uma facção, e o se outro lado vem a morrer, sempre tem o ativismo judicial que vem pro nosso lado. E isso (respaldo jurídico) quem dá é o parlamento brasileiro. Se está num combate os dois lados atiram, e uma vez nosso lado conseguindo sucesso tem que ser condecorado e não processado.”

Ficha limpa e urnas eletrônicas
Questionado sobre o julgamento do candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, Jair Bolsonaro disse que todo candidato tem que respeitar a lei e que a “postergação do PT é uma manobra que eles fazem, buscando que a fotografia do Lula fique na urna eletrônica. Eu sou patinho horroroso da história, estou nessa luta pelo meu país e não estou preocupado quem vai estar, por ventura, no segundo turno, caso eu vá também”

Ainda segundo a candidato, ele tem a convicção que as urnas eletrônicas não são confiáveis e criticou a extinção do voto impresso que tinha sido aprovado em 2015 para estas eleições. “Infelizmente vamos para uma eleição sem a mínima confiança de que não possa haver fraude no pleito de 7 de outubro”.

Direitos Humanos 
“Se eu for presidente, nós sairemos do Comitê de Direitos Humanos da ONU, é um antro de comunistas. Lula participar das eleições não é questão de direitos humanos, é exatamente ao contrário. Para o povo não continuar sendo roubado, é que ele tem que estar fora das eleições”.

Estradas 
Segundo o candidato, o orçamento da União está quase todo comprometido com as despesas obrigatórias, mas garantiu que vai nomear ministros de forma técnica para tentar combater os desvios de dinheiro público. No setor de transporte, conforme Jair Bolsonaro, também será, possivelmente, um general formado em engenharia, com conhecimento da questão, pois já participou da construção de estradas pelo Brasil.

“Essas estradas, a maioria foi construída no período militar, aquele período conhecido como integrar para não entregar. O voto não resolve todos os problemas, mas o eleito tem que tem responsabilidade. Ao chegar, vamos conter os atos de corrupção sem indicação política, buscando atender a demanda nacional, por esse transporte modal, e se a iniciativa privada topar, PPP, investir em outros modais, como o ferroviário”.

Economia
O candidato disse que pretende reduzir a carga tributária e desburocratizar a máquina pública e sem aumentar a carga tributária. “Temos que economizar, cortar muita coisa, mas é uma desgraça ser patrão no Brasil. Se você não ajudar quem quer produzir, regulamentando, desburocratizando, o Brasil não vai avançar. Temos que ter menos ministérios e fazer com que entre mais dinheiro sem aumentar imposto. Se não reduzirmos a carga tributária a tendência é nossa economia implodir”.

O candidato chegou por volta das 14 horas na capital rondoniense e foi recebido por uma multidão de admiradores que o acompanharam em carreata pela cidade. O partido estimou que certa de 10 mil pessoas estiveram presentes no vento no Espaço Alternativo. Nesse sábado, o candidato irá a Rio Branco (AC).

Comentários do Facebook